Quanto tempo armazenar o leite materno?

A ausência da mãe não significa interrupção do aleitamento materno, assim, planejando a voltar ao trabalho, ordenhando e armazenando o leite materno, é possível continuar com o aleitamento materno mesmo na ausência da mãe. Uma dúvida bastante comum nesses caso é quanto tempo dura o leite materno armazenado? Fazer extração do leite materno não é uma tarefa tão simples, às vezes não conseguimos muito numa única sentada, e é preciso várias ordenhas ao longo do dia para conseguir a quantidade de uma porções de leite materno na nossa ausência. É essencial saber quanto dura nas condições que temos em casa, no nosso freezer, para assim poder planejar a ordenha.


Existem vários estudos que avaliam a qualidade do leite materno ordenhado em diferentes tempos e temperaturas de armazenamento,  que levaram à criação de protocolos seguidos por diversas entidades de internacionais que apoiam e estudam a lactância materna.  A primeira questão importante é para quem vai o leite materno extraído e armazenado? Há uma grande diferença entre o leite materno direcionado aos bebês prematuros, em internação hospitalar ou ou que apresentam quadros de imunidade deprimida, e o leite armazenado para bebês nascidos a termo e completamente saudáveis.

As propriedades do leite materno se modificam acordo à temperatura e método de armazenamento escolhido. Sem dúvidas o melhor sempre será o leite fresco, onde todas as propriedades nutricionais e bioativos se mantém em completa atividade. O leite congelado ainda mantém a atividade de enzimas (ferritina, lisozima, e leptina), baterias  e agentes imunológicos ativos, mostrando uma diminuição significativa a partir dos 90 dias de armazenamento em -18°C. Já no leite pasteurizado as baterias são eliminadas, e a maioria de agentes imunológicos (proteínas) são desnaturados, preservando as propriedades nutricionais, sendo essencial quando o leite materno é direcionado aos bebês prematuros ou com sistema imunológico debilitado que se encontra em internação. 

A rede de brasileira de Bancos de Leite do humano, orienta que para bebês prematuros, o leite materno não pode ser armazenado por mais de 15 dias, e deve passar obrigatoriamente pela pasteurização. Por alguma razão que ainda não consegui entender se tornou a orientação universal, até mesmo para o leite de uso doméstico, direcionados aos bebês nascidos a termo e completamente saudáveis. 

Imagine que você precisa deixar 3 porções de 120 mL de leite por dia, 5 dias por semana, ou seja, um total de 15 porções por semana, 1800 mL. No melhor dos casos você ordenha uma meia de 70 mL três vezes por dia, antes de voltar trabalhar (o que só vai acontecer depois de muita prática), e durante o serviço (no melhor dos casos) consegue manter duas ordenhas de 80 mL para ir repondo o estoque. Assim, você irá demorar 8 dias de ordenhas regulares para estocar o leite que seu bebê irá consumir na sua ausência, durante a semana enquanto ainda está em casa, e precisará de 2 dias e meio de ordenhas no serviço para repor as porções que seu bebê consome num único dia. Se na sua ordenha em casa consegue menos, ou se no serviço não tem como ordenhar e estocar, o tempo pode ser bem maior.

Eu fiz essa continha quando foi minha vez de mandar leitinho para creche de meus pequenos, a conta não fecha. Dizer que o leite para uso doméstico por bebês a termo   saudáveis em 15 dias de vaidade dificulta muito a manutenção do aleitamento materno exclusivo, especialmente se consideramos uma licença maternidade é de 4 meses, e a baixíssima taxa de implantação de espaços adequados para extração do leite materno nos locais de trabalho das mães lactantes.  

Brasil afora, os protocolos de armazenamento de leite materno para bebês nascidos a termo e saudáveis são muito mais generosos. “La liga de la leche internacional”  e “Center for Disease control and prevention” sugerem que o leite materno para uso doméstico, sem pasteurizar, pode ser mantido no freezer (de porta separada) , em temperaturas abaixo dos -18°C, até 6 meses. Para garantir a conservação da maior parte das propriedades, nutricionais e bioativas, minha sugestão é calcular que o leite seja utilizado entre 2 -3 meses após a coleta.

Não é minha intenção lhe dizer o que fazer, apenas quero lhe informar, para que você possa escolher, existe a orientação da rede dos Bancos de Leite do Brasil de armazenamento máximo de 15 dias, e existem os estudos, protocolos e recomendações de entidades internacionais que sugerem que o armazenamento do leite materno é seguro até 6 meses em temperaturas abaixo e -18°C (freezer porta dupla doméstico) . Qual recomendação se ajusta mais à sua realidade?

Veja também:

Voltar ao trabalho após a maternidade: sim ou não?

Como manter o aleitamento materno na volta ao trabalho?

Meu bebê não pega mamadeira e agora como dou o leite? 

A evolução da Livre demanda: mudanças com a idade do bebê

Precisando ajuda?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar com a amamentação, sono, planejar sua volta ao trabalho, desmame gentil, desfralde ou educação positiva saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui

*Texto original de Zioneth Garcia

Referências

Center for Disease control and prevention. Proper Storage and Preparation of Breast Milk. https://www.cdc.gov/breastfeeding/recommendations/handling_breastmilk.htm

Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano. http://www.redeblh.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=360

La liga de la leche internacional. Storing Human Milk. La leche ligue Canada. No. 471 – 2012. http://s.lllc.ca/files/471-Storing_Human_Milk_Pantone.pdf

Anne Eglash, Liliana Simon, and The Academy of Breastfeeding Medicine. ABM Clinical Protocol #8: Human Milk Storage Information for Home Use for Full-Term Infants, Revised 2017. BREASTFEEDING MEDICINE Volume 12, Number 7, 2017 DOI: 10.1089/bfm.2017.29047.aje. https://abm.memberclicks.net/assets/DOCUMENTS/PROTOCOLS/8-human-milk-storage-protocol-english.pdf

Adeola KF, Adunni OO. PMID: 9538611 DOI: 10.1093/tropej/44.1.54. Effect of storage temperature on microbial quality of infant milk. J Trop Pediatr. 1998 Feb;44(1):54-5. doi: 10.1093/tropej/44.1.54. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9538611

Chang, J.C., Chen, C.H., Fang, L.J., Tsai, C.R., Chang, Y.C., Wang, T.M. Influence of prolonged storage process, pasteurization, and heat treatment on biologically-active human milk proteins. Pediatr Neonatol. 2013;54:360–366. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1875957213000715


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s