Estou sem livro, ele quer uma história e agora?

Sempre recomendo a conversa calma e as historias para ajudar a criança relaxar antes de dormir, o que vale tanto para as sonecas quanto para o sono da noite. Mas nem sempre temos acesso a livros, como viajar com uma biblioteca nas costas? ou fazer a soneca na casa da amiga sem filhos? Pois bem, há algum tempinho a Christiane Nóbrega escreveu esse ótimo o relato, cheio de dicas para a hora de contar historias sem livro, e merece ser resgatado.

Estou sem livro, ele quer uma história e agora?

por Christiane Nóbrega,

Aqui a cama compartilhada foi julgada. A pobre… sem nenhum direito de defesa. Condenamos a coitada, ela foi considerada culpada por bagunçar os horários de dormir das crias. Na prática, a sentença foi cumprida só com a transferência de cama, da nossa para as deles. Cada um deitava, alternadamente, na cama de uma cria e ficávamos por lá até pegarem no sono.

Foi um caos! Samuel se agita com música, Lelê se acalma. Elias cantava e Samuel queria dançar. A luz apagada e eles reclamando do escuro. Decidi contar histórias, mas sem acender a luz. Teriam de ser histórias da minha cabeça. Evidente! Lembrei-me das que ouvia na infância e comecei “Havia uma Dona Baratinha que queria se casar…”

Mãe, mas por que ela queria casar? – foi a primeira interrupção. Determinada, expliquei e segui a história – “Dona Baratinha cantava pela vila uma canção que dizia quem quer casar com a Dona Baratinha, que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha”.

-Mãe! Ela queria alguém que ia querer só o dinheiro dela? – mais uma fungada, uma explicação e segui sendo interrompida a cada pretendente. Para quem não conhece essa delícia de história, os pretendentes da Dona Baratinha são os mais diversos, de cavalo a cachorro, de bode a gato. Imaginem as indagações daqueles que estariam sendo ninados!


A Ana Maria Machado recontou esse clássico das histórias orais no livro “Dona Baratinha”, ilustrado por Maria Eugênia e publicado pela FTD.   

Seguimos tentando, porque a gente não desiste nunca. Outro dia fui contar uma lenda que minha mãe contava e que eu sempre contei para o BH e para a Lelê, mas acho que para o Samuel foi a primeira vez. É uma lenda amazônica que fala do coelho que matou uma onça e fez uma flauta de seu osso. Pronto! Instalou-se o caos! Dessa vez o inquisidor foi Samuel:

– Mas, mãe! Por que a onça estava correndo atrás do coelho?

– Para se alimentar, Samuel. 

Mas ele *picisava* matar a onça? Não dava só *pa* correr? E por que a onça não come ração igual ao Loque (nosso labrador)? Vamos levar ração na *folesta*?

Vencida a explicação de que a onça está no topo da cadeia alimentar e que na floresta é assim, segui a história: “o coelho cata o osso da perna da onça, faz uma flauta e começa a tocar e cantar essa flauta que eu tô tocando foi a onça que matei…”.

– Mãe! Como toca *fauta* e canta ao mesmo tempo?

– Não sei Filho, é só uma história. Nas histórias tudo é possível. – E segui… “quando de repente, aparece outra onça e pergunta: – O que, seu coelho? Matou uma onça? O coelho nervoso responde que não, que verdade foi uma anta e a onça entendeu errado e segue cantando trocando de animais até hoje.”-  Dessa lenda achei uma versão com jabuti nesse site

Algumas historias que todos sabemos de cor

Em outros dias, contamos Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida, algumas histórias da Bíblia… ou histórias inventadas mesmo e outras das nossas vidas. 
Foi um delicioso passeio pela nossa infância e pela nossa tradição oral, que é tão rica. Quem não tem na memória uma história contada pelos pais, avós, professores ou até mesmo vista na TV? Pode ser de uma aventura na escola, de como foi o dia do nascimento da criança, de como conheceu o pai, de uma festa legal e até aquelas bem engraçadas que sempre que revemos os amigos de infância contamos. 

E adivinhem só o resultado disso tudo? A cama compartilhada foi finalmente absolvida e todos voltaram para o nosso quarto, ao menos até agarrarem no sono e Elias transportá-los para suas camas. Além disso, vários pedidos das crianças:

– Mãe, conta uma história da sua cabeça?

Lindo relato! Me trouxe lembranças da minha infância, e da infância de meus irmãos, ouvindo e vendo meu pai contando e recitando poemas para nos fazer dormir. Muitas ideias surgiram por aqui, ansiosa para botar na prática essa noite. Espero que tenha trazido boas ideias por ai também!

rsz_1resize_chris_nobrega_menor_branca-de_leite

Christiane Nóbrega é brasiliense e advogada. Mãe de três, todos com alergia alimentar. Diante das dificuldades e, sobretudo, da solidariedade que encontrou pelos caminhos da APLV, resolveu ajudar outras pessoas assim como fizeram com ela, e uma das formas que encontrou foi escrevendo e contando histórias.  Tem dois livros publicados: “Júlio, um dinossauro muito especial”, lançado em junho de 2016, e “A Branca de Leite” lançado em agosto de 2017.  Adquira os livros da autora aqui

Não deixe de visitar o site https://christianenobrega.com.br/

Precisa ajuda?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar com o sono, desmame , desfralde, ajustes na amamentação e educação positiva.  Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui

Veja também mais textos da Chris aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s