O sono das mães

Após sete anos de maternidade, e mesmo com quase 3 anos nos que as noites de sono das crianças são completas, o meu sono nunca mais foi o mesmo. De alguma forma escuto o som das cobertas caindo no chão,no quarto das crianças, e na hora levanto cobrir exatamente a criatura que derrubou as cobertas. Pode chamar de intuição, é natureza agindo perfeitamente, essas mudanças em nosso padrão de sono, a ciência explica. Me acompanhe a seguir.

A gravidez é um período no qual nosso corpo experimenta grandes mudanças, estas acontecem em vários níveis: físicas, fisiológicas e neurológicas. Insônia e curta duração do sono foram assinalados em vários estudos como situações muito comuns nas mulheres antes e após a gravidez ( Sivertsen B, et al. 2015, David Richter, et al, 2019 ). A curta duração do sono, dificuldade de adormecer ou perda seção no no meio da noite, são considerados fenômenos comuns durante a gravidez e no período pós-natal. O primeiro trimestre é tipicamente caracterizado por um aumento no tempo total de sono e sonolência diurna, enquanto a maioria das mulheres grávidas experimentam redução da qualidade do sono e mais despertares noturnos mais tarde na gravidez e imediatamente após o nascimento.

Um estudo recente ( David Richter, et al, 2019), mostrou que há uma diminuição da satisfação e da duração do sono nos primeiros meses após o parto por parte dos pais. Nem o sono das mães, nem dos pai, se recuperam totalmente até níveis pré-gravidez até 6 anos após o nascimento do primeiro filho. Aparentemente, casais com mais filhos, tem menos efeitos da perturbação do sono a cada nova gestação. Talvez porque eles já sabem o que esperar (e principalmente o que não esperar). Nesse estudo, o papel de algumas variáveis ​​sociodemográficas e psicossociais não foi investigado em detalhes. Fica ainda a dúvida, até que ponto a idade, número de filhos, as expectativas ou mesmo acesso a informação e orientação, podem desempenhar um papel na percepção de qualidade e satisfação do sono na gestação e pós parto.

Esse sono fragmentado no final da gestação, e nos primeiros meses/ anos de vida das crianças pode nos levar a modificações no nosso sistema de aprendizagem e memória, dois processos cognitivos diretamente relacionados com os ciclos de sono ( Anikó Kusztor, et al , 2019; Robert Stickgold, 2005, Pierre Maquet, 2001). Então, se você já entrou num cômodo e esqueceu o que ia fazer nele,  perde coisas constantemente, esquece de compromissos ou datas importante, provavelmente você faz parte das mães (e pais) que tiveram seus cérebros modificações pela maternidade (paternidade).

Qualidade e quantidade adequada de sono, assim como satisfação com o proprio descanso, são essenciais para a saúde mental da mulher mãe (Insana SP, et al, 2013, Andrade RD, et al. 2015). Durante as fases de sono profundo nosso corpo produz hormônio de crescimento (que nos rejuvenesce) e leptina (que nos ajuda controlar o apetite). Adicionalmente, o descanso adequado é essencial para um sistema imunológico saudável. Ciclos de sono muito curtos, tempo de sono insuficiente, de forma crônica, podem deixar a mulher suscetível a sintomas de depressão, aumento de peso e com seus sistema imunológico frágil (sendo mais susceptívei  infecções mamilares, viroses e outras doenças p.e).

A natureza criou o desenho perfeito, um sistema que permite acompanhar a evolução neurológica do sono infantil, com a modificação do sono materno. A criança não vai conseguir dormir noites completas, de forma rotineira, até seus mais ou menos 2 anos, mas não há nenhum problema nisso, o cérebro materno e paterno, estão modificados, e em constante mudança, para acompanhar esse desenvolvimento do bebê. Não é raro, os bebês de 2-3 meses que passam por fases de 2-5 noites de sono longo (6-7 hs) cujas mães relatam acordar assustadas, e não conseguir dormir novamente até o bebê ter mamado. Também não é raro descobrir mães, que enquanto seus bebês são novinhos, se satisfazem com 3-4 horas de sono seguidas, ficando revigoradas e felizes, mas que depois, com 1-2 anos da criança, as mesmas 3-4 horas são insuficientes, e ficam exaustas ao longo do dia. A mesma mulher-mãe, com um cerebro com necessidades de sono bem diferentes, mudando conforme seu filho amadurece.

São bem comuns os relatos que nem aquele do começo do texto, onde a criança dorme lindamente, mas nós, mães, ainda acordamos no meio da noite, tendo ciclos de sono mais curtos e leves, em resposta à nossa necessidade de cuidado. Me resta esperar para ver se quando meu caçula completar seis anos, meu cérebro vai me deixar dormir 8 h, sem sentir a necessidade de me levantar cobrir os pezinhos gelados no meio da madrugada.

Uma medida de prevenção, para evitar as dificuldades e diminuição da satisfação do sono materno e paterno, sugerida através desses estudos, é o aconselhamento e apoio fornecidos para os  novos pais, lhes permitindo se preparar não apenas para o parto, mas para o gerenciamento de suas expectativas de sono pós-parto, incentivá-los tomar precauções para reduzir os riscos dos efeitos da fragmentação do sono e privação. Ou seja, se os novos pais sabem o que pode acontecer, e o que podem esperar realmente do sono do bebê e do seu descanso, ficam menos susceptíveis a preocupações desnecessárias, com o que serão capazes de identificar e solucionar as dificuldades oportunamente, melhorando a percepção da qualidade e satisfação com o seu próprio descanso.

Referências

Sivertsen B, et al.  Trajectories of maternal sleep problems before and after childbirth: a longitudinal population-based study. BMC Pregnancy Childbirth.  2015;15:129.

David Richter, et al.  Long-term effects of pregnancy and childbirth on sleep satisfaction and duration of first-time and experienced mothers and fathers. Sleep, Volume 42, Issue 4, April 2019.

Insana SP, et al.  Sleep disturbance and neurobehavioral performance among postpartum women. Sleep . 2013;36(1):73–81.

Andrade RD, et al.  Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Esc Anna Nery 2015;19(1):181-186.

Anikó Kusztor, et al.  Sleep deprivation differentially affects subcomponents of cognitive control. Sleep, Volume 42, Issue 4, April 2019, zsz016.

Robert Stickgold. Sleep-dependent memory consolidation. NATURE. Vol 437. 27 October 2005.

Pierre Maquet. The Role of Sleep in Learning and Memory. Science 294, 1048 (2001)

Precisa ajuda?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar com o sono, desmame , desfralde, ajustes na amamentação e educação positiva.  Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui

Texto de Zioneth Garcia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s