Relato de caso: saúde da mãe influenciando sono e comportamento da criança

Hoje venho compartilhar com vocês três casos que me deixaram sensibilizada, e especialmente preocupada pela saúde materna, apesar do foco da consulta ser o bebê, quando vejo que o comportamento do bebê responde ao comportamento familiar ao redor de uma situação de saúde materna particular, é imprescindível cuidar da mãe. Um padrão de comportamento que tenho observado, problemas de sono e crises comportamentais frequentes no bebê em resposta a uma situação de saúde materna.


Caso 1: dor crônica e angustia de separação

A criança com 9 meses, em plena angústia de separação, engatinhando por tudo e começando se levantar, cheia de energia para gastar, e dando bastante trabalho para sua mãe na hora de dormir. Uma situação que não está nada fora do normal, porém, a mãe lidava com uma doença que lhe causa bastante dor, tentando evitar uma cirurgia através de um tratamento médico periódico que também lhe causava desgaste físico e dor. No dia dia era ela com seu bebê, o pai trabalha viajando e a família morava em outra cidade, apesar de próximos,  o cotidiano é basicamente sozinhos. Na nossa conversa e acompanhamento posterior percebi um padrão de comportamento, o bebê tinha as noites mais difíceis, despertando continuamente para mamar justamente nos dias que sua mãe sentia mais dor, especialmente após o tratamento. A avó vinha cuidar da filha e neto, mas a criança era irredutível em querer a mãe.

A solução foi tentar descansar juntos, manter a dor o mais controlada possível usando medicações (foi levantada a lista de medicações disponíveis e compatíveis com a lactância para ela discutir junto ao especialista) . Também incluímos um processo de comunicação mais ativo, explicando para criança quando sua mãe estava ou não disponível ou com dor. Mas especialmente, foi discutido o realizar a cirurgia que seria o tratamento definitivo, sugerido pelo especialista, mesmo que significasse alguns dias fora de casa.

MCC

Caso 2: Tratamento psicológico e gases do bebê

A criança de 2 meses só adormecia mamando e no colo, normal, não fosse o fato de precisar dormir assim dia e noite, a mãe me procurou exausta, várias noites em claro. Na nossa anamnese e conversa ficou evidente que tinha algo além do comportamento da criança. A mãe tinha distúrbio de ansiedade, estava em acompanhamento com psiquiatra e tomava duas medicações para o controle da ansiedade, mas tinha interrompido a terapia após o nascimento. Ao longo do acompanhamento percebemos um padrão nas acordadas diurnas e noturnas, a criança acordava com gases ou cocô. A alimentação da mãe não era, ela já cuidava tudo nos mínimos detalhes. Então nossas suspeitas caíram em duas substâncias, probióticos oferecidos para a bebê desde o nascimento, para as cólicas, e um dos medicamentos que a mãe usava regularmente. Fizemos o teste de mudar o horário da medicação, e deu uma mudança no horário do cocô, acordo com a bula ela poderia causar problemas intestinais, então orientei procurar o psiquiatra e levar esta informação, e com muita boa vontade,  ele concordou em mudar a medicação. A mãe também suspendeu o uso do probiótico, e finalmente o cocô e os gases deram uma boa diminuída.

Com a criança melhor, passou aceitar mais fácil dormir fora do colo, ficar períodos maiores sem mamar. É claro que ainda há muitos desafios pela frente, está amadurecendo seu sistema neurológico ainda, mas a rotina estruturada e as melhoras notáveis no comportamento da criança ao controlar o desconforto,  foram suficientes para deixar a mãe muito mais tranquila.

mother-daughter-love-sunset-51953.jpeg

Caso 3:  Colo , dor crônica, mobilidade reduzida na mãe e medo do tratamento comprometer a amamentação

A família entrou em contato procurando ajuda para ajudar o filho adormecer sozinho sem precisar de peito nem colo. Um bebê de 8 meses, grandão, que gostava muito do colo da sua mãe. Nada fora do normal. Porém, a mãe sofria de dores crônicas nas costas e braços, resultado de uma lesão antiga nas costas. Desde antes da gestação estava fazendo tratamento de controle da dor com medicação e fisioterapia. Porém, durante a gestação interrompeu o tratamento por medo dos medicamentos fazer mal ao bebê, e a dor lhe impediu de continuar com a fisioterapia de forma regular. A mobilidade da mãe estava cada vez mais comprometida, ao ponto de ter travado varias vezes e precisa de atendimento de emergência. 

A rotina da criança não estava ruim, estava dentro do normal para a idade. Precisávamos encontrar um jeito de substituir o colo e o seio por outra forma de aconchego que facilitasse a criança se acalmar e adormecer.  O bebê praticamente vivia no colo da mãe, era mais fácil trazer para o colo que se agachar para ficar no chão junto dele para brincar, o que piorava muito a dor. Recebeu várias recomendações de desmame abrupto para conseguir retomar o tratamento, mas preferiu não as seguir, ao ponto de parar de procurar acompanhamento médico por conta delas. A mãe deixou de lado os cuidados com sigo mesma para priorizar a amamentação.

O primeiro grande desafio foi justamente retomar os cuidados com a saúde materna, pesquisamos juntas a compatibilidades dos medicamentos com a amamentação, os mesmos que ela utilizava antes da gestação,  para nossa alegria, eram compatíveis com a lactância. O seguinte passo foi procurar novamente o especialista e levar essa descoberta para ele lhe orientar um tratamento adequado novamente. Então, organizamos a rotina da criança, para que qualquer pessoa pudesse acompanhar, até mesmo o aleitamento, abrindo assim a possibilidade da mãe se ausentar 2- 3 vezes por semana para que pudesse realizar a fisioterapia e atividade física que estava precisando com urgência.

Por último,fizemos um processo para desassociar o sono com a sucção e com o colo, primeiro modificando o local de dormir. Com a saúde melhor, sem tanta dor, foi possível fazer a transição do berço para uma cama baixa do lado da mãe, e então substituir o embalo no colo por deitar junto, dando balancinho no bumbum e nas costas. Incluindo também o pai em todo esse processo, para que gradativamente ele também pudesse ofertar estes cuidados. Deu um pouco de trabalho, mas finalmente, com muita conversa, muita paciência e carinho, o bebê passou adormecer fora do colo, para o alívio da sua mãe. E ela finalmente colocou sua saúde no topo da lista de prioridades da família.

Esses, são três casos extremos, que onde foi preciso a ação interdisciplinar, vários profissionais e familiares envolvidos, ao redor de uma situação. E você, mãe, já fez seu check up anual? sua saúde física e mental está em dia?  Não espere chegar no fundo do poço para cuidar de você mesma, é preciso cuidar da mulher, para que possa ser uma mãe melhor!

Precisa ajuda?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar com o sono, desmame , desfralde, ajustes na amamentação e educação positiva.  Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui

Texto original de Zioneth Garcia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s