Relato de caso: uma episiotomia atrapalhando a amamentação

 

O relato que quero compartilhar com vocês hoje é de uma consulta de amamentação. A mãe me chamou assim que chegou em casa. Preocupada por que seu seio estava começando machucar.

Cheguei a noite, fiz os procedimentos de rotina: avaliar a sucção do bebê e verificar a mama, enquanto conversávamos sobre o nascimento, o parto, os primeiros dias. Durante a conversa percebi que a mãe estava bastante desconfortável, quando começamos tentar colocar o bebê para mamar, para lhe ensinar corrigir a pega, foi muito difícil encontrar uma postura. Durante os primeiros três dias ela estava amamentando sentada, o dia todo, tinha recebido orientação na maternidade de não amamentar deitada.

Os pontos da episiotomia estavam muito doloridos, a pressão que a região pélvica recebia durante o dia todo e o cansaço acumulado estavam passando a conta durante a noite, com uma dor aguda que a tinha na beira do choro. Tinha todas as orientações médicas necessárias, porém, algo na sua dor estava fora do normal, a medicação não estava tendo nenhum efeito.

pexels-photo-235243.jpeg

Como a maioria de mães de primeira viagem (me incluindo) a tendência inicial era levar o peito até a boca do bebê, dobrando as costas e forçando o pescoço, ficando ainda mais tensa a cada mamada. Corrigir a postura é o primeiro antes de iniciar a mamada. Sofremos um pouco para encontrar um postura onde liberasse a pressão da região pélvica, usamos travesseiro com furinho no meio para liberar a pressão da região da episiotomia, levantamos as pernas e a colocamos numa posição semi deitada. O papai aprendeu embrulhar o bebê para segurar as mãozinhas e pernas, para deixar seu corpo mais firme e fácil de posicionar na mama. A mamada então aconteceu lindamente, pega certinha, ciclos de sucção ampla, deglutição perfeita,  um alívio para a mãe cansada e dolorida.

Um xixição na fralda, apenas para ter certeza que a mamada tinha sido boa. O bebê dormiu tranquilo, de barriguinha cheia, terminei de massagear e aliviar o ingurgitamento causado pela apojadura, acertamos as últimas orientações dos cuidados deixamos nos seguintes dias, com o bebê e com a mãe.

Mas, no meio da conversa, umas palavras da mãe chamaram minha atenção, ela reclamou da dor do pós parto, tinha se preparado para um parto normal, com o mínimo de intervenções, se exercitado com terapeuta, se preparado com informação, a dor no pós parto de um parto normal não estava em seus planos . Ela estava com problemas para aceitar o desenvolver de seu parto, não tinha falado isso antes, e foi muito importante que a sua mãe (a vovó) estava junto e conseguiu acolher. A consulta já tinha finalizado, mas não podia ir embora deixando a mãe assim. Conversamos mais um pouquinho, escutei tudo o que ela tinha para desabafar, chorou, acolhi como se fôssemos velhas amigas e então foi embora, não sem antes pedir para que logo cedo conversasse com o obstetra sobre a dor que estava sentindo e a dificuldade para ficar sentada.

Nos dias seguintes continuamos conversando, ela conversou com seu obstetra e após um retorno para avaliação, descobriram uma irregularidade na cicatrização da episiotomia, o que estava causando a dor aguda. Nova medicação e novos cuidados, e rápidamente a dor melhorou, possibilitando à nova família curtir e focar no estabelecimento da amamentação.

Precisando ajuda ?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar no sono, amamentação, desmame, desfralde e disciplina positiva. Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s