Dicas para prevenir e aliviar o ingurgitamento

Logo nos primeiros dias e depois em qualquer momento da amamentação a dor do ingurgitamento ou famoso leite empedrado, se faz presente, é preciso atender prontamente aos sinais para prevenir a progressão de um quadro de mastites. Veja a seguir orientações para tratar o ingurgitamento assim que detectado.

O ingurgitamento do seio é a distensão tecidual excessiva, causando grande desconforto, às vezes pode vir acompanhado de febre e mal-estar. A mama encontra-se aumentada de tamanho, dolorida, pode ter áreas difusas avermelhadas, edemaciadas e brilhantes. Os mamilos ficam achatados, dificultando a pega do bebê, e o leite muitas vezes não flui com facilidade. Esse é o famoso “empedramento” do seio.  

Geralmente está associado à mamadas pouco freqüentes, restrição da duração e freqüência das mamadas, uso de suplementos (medicamentos ou homeopatias para aumentar o leite)  e sucção ineficaz do bebê. O ingurgitamento pode ficar restrito à aréola (areolar) ou ao corpo da mama (periférico) ou pode acometer ambos. Quando há ingurgitamento areolar, a criança pode ter dificuldade na pega, impedindo o esvaziamento adequado da mama, o que piora o ingurgitamento e a dor.

O ideal é prevenir o ingurgitamento mamário com mamadas frequentes, em livre demanda, deixando o bebê mamar ao seio até este ficar bem flácido. O que comumente se chama de “esvaziar o seio” . Entre as medidas preventivas do ingurgitamento se incluem também o uso de sutiã adequado, a massagem e ordenha manual de alívio e o autoexame regular. Uma vez instalado o ingurgitamento, recomendam-se as seguintes medidas:

 

Medidas para tratar o ingurgitamento mamário

  • Se a aréola estiver tensa, ordenhar manualmente um pouco de leite antes da mamada, para que ela fique macia o suficiente para o bebê abocanhar a mama adequadamente;
  • Amamentar com freqüência, em livre demanda;  fazer massagens delicadas nas mamas é importante na fluidificação do leite viscoso e no estímulo do reflexo de ejeção do leite. Coloque o queixo do bebê dirigido para a região mais dolorida, isto ajudará drenar o leite dessa região com maior eficiência.
  • Massageie a região dolorida com seus dedos, realizando movimentos circulares e dirigidos ao centro do seio, a aréola, use esse movimentos antes, durante e depois das mamadas. Se sente que um novo caroço se está formando no intervalo entre mamadas não hesite em massagear e ordenhar

Resultado de imagem para mama ingurgitada

  • Usar analgésicos sistêmicos/anti inflamatórios (consulte seu médico) para auxiliar também na redução da inflamação e do edema.
  • Usar suporte para as mamas ininterruptamente. Um sutiã de tamanho adequado com alças largas e firmes, para alívio da dor e manutenção dos ductos em posição anatômica. Atenção com os sutiã de amamentação! Alguns modelos perdem o suporte facilmente, apesar das alças largas o tecido ser de alta elasticidade ou baixa resistência. Adicionalmente podem pressionar o seio na borda da abertura (que usualmente é menos flexível) causando ou piorando o empedramento. Uso de Top esportivo pode ajudar melhorar o suporte para os seios.
  • Se o bebê não sugar, a mama deve ser ordenhada manualmente de preferência, o uso da bomba de sucção deve ser restrito para não super estimular ainda mais a mama.
  • O esvaziamento da mama é essencial para dar alívio, diminuir a pressão mecânica nos alvéolos, aliviar o obstáculo à drenagem da linfa e edema, diminuir o risco de comprometimento da produção do leite e, sobretudo, da ocorrência de mastite.
  • Compressas mornas promovem vasodilatação, aliviando a compressão local, porém posteriormente aumentam o volume de leite nas mamas, o que pode ser desvantajoso na vigência de ingurgitamento mamário. Porém, se associadas aos anti inflamatórios, massagens, ordenha manual e  às mamadas frequentes, podem facilitar o esvaziamento da mama.
  • A compressa fria local provoca vasoconstrição temporária e, conseqüentemente, reduz o fluxo sanguíneo, com consequente redução do edema, aumento da drenagem linfática e menor produção do leite. O uso da compressa fria após as mamadas, várias vezes ao dia,  é uma medida fácil e eficiente para regularizar a produção do leite materno em casos de hiperlactação ou ingurgitamento frequente. A compressa gelada não devem ser utilizadas por mais de 15 a 20 minutos, excesso de frio local aumenta a circulação sanguínea e em consequência pode apresentar efeito rebote.
  • No caso de apresentar febre alta e mal estar geral, não hesite em procurar pronto atendimento. Pode ser sinal que o ingurgitamento progrediu para uma mastite e será preciso tratamento com antibióticos.

 

Precisa ajuda?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar com o sono, desmame , desfralde, ajustes na amamentação e educação positiva.  Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui

Texto de Zioneth Garcia

 

Referências

Elsa R. J. Giugliani. Problemas comuns na lactação e seu manejo. J. Pediatr. (Rio J.) vol.80 no.5 suppl. Porto Alegre Nov. 2004
http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572004000700006

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s