Bolo MCC

Alimentação da criança maior de 1 ano

Até agora seu bebê vinha se alimentando principalmente de leite. Os alimentos introduzidos desde os 6 meses são parte importante da alimentação diária. Ele tem uma necessidade energética crescente graças às novas habilidades motoras, engatinhar, se levantar, quiçá começar andar e até correr. Porém, ele não vai mais crescer no ritmo de um bebezinho. Durante o próximo ano ele ganhará apenas poucos gramas ao mês, talvez tenha meses que não ganhe nada ou até perca um pouco de peso, para chegar no seu segundo aniversário com um ganho de peso total de cerca de 1kg ou 1,5Kg. Não se espante se seu filho diminui o tamanho das porções, é normal e esperado, agora ele não só poderá mastigar melhor, aproveitar melhor os alimentos (e verá que até o cocô muda), se não também fará mais refeições ao longo do dia.

O leite (seja materno ou fórmula) continuará a ter um importante papel na nutrição. Apenas lembre que o LEITE MATERNO NÃO INTERFERE NA ABSORÇÃO DE FERRO, pelo contrário, ele contém substâncias que favorecem o transporte de ferro nas células do organismo do bebê amamentado. Então pode oferecer o leite materno antes, durante ou depois das refeições sem medo.  Já se seu bebê toma fórmula infantil, deve tomar cuidado de deixar seu consumo para 1 hr antes ou após as refeições ricas em ferro, para que não interfira na absorção de nutrientes.

Tente colocar vários grupos de alimentos em cada refeição, agora só fruta picada no lanche pode ser insuficiente. Acrescentar alimentos energéticos como cereais ou tubérculos é importante para seu bebê ter energia para suas atividades.

Edição de imagens (4)

É provável que ainda venham pela frente vários períodos em que o bebê vai se alimentar muito pouco ou quase nada, mas enquanto mantenha o aleitamento materno estará garantida a sua nutrição básica. Pense no balance nutricional do dia, uma refeição de cada vez, compensando uma refeição na seguinte evitando realizar substituições inadequadas. Não é legal substituir a refeição saudável por doces, suprimentos, fórmulas lácteas ou  refeições de alimentos altamente processados (salgadinhos, frituras, etc). Se seu filho não almoça muito bem um dia, no lugar de lhe oferecer uma vitamina de frutas ou copo de leite logo após o “não almoço” (o que seria apenas uma substituição) espere a hora do lanche da tarde, talvez antecipe um pouco o horário e ofereça uma refeição mais caprichada que a de costume, de forma que compense os nutrientes que seu filho pode ter deixado de consumir esse dia  no almoço.

Tenha paciência, não caia nas brigas, chantagens ou a imposição. Tornar a hora de comer um martírio não ajudará alcançar seu objetivo de alimentar seu filho saudavelmente. Lembre que continuamos construindo o relacionamento que seu filho terá com a comida. Então, nesses períodos que a criança parece não querer comer, mantenha a oferta de alimentos saudáveis e seja mais do que nunca um exemplo de alimentação saudável constante. Use as conversas e brincadeiras para persuadir, negociar e convencer. Durante a refeição tire o foco da alimentação, conversem sobre a rotina do dia, o planos do fim de semana, as brincadeiras, o trabalho do pai, etc.

Nessas fases que parece não comer, tenha calma, viva um dia de cada vez, uma refeição de cada vez, não encare as rejeições a um determinado alimento ou a um prato de comida como uma sentença definitiva rotulando seu filho com um “não gosta de comer…” “nunca come …”. Melhor oferecer novamente em outra oportunidade, em outra apresentação, com outro nome. Aqui por exemplo tivemos a fase do “não gosto de couve” mas a mesma cove se apresentada como “espagueti do Hulk” era devorada.

edic3a7c3a3o-de-imagens-6.jpg

Ainda lhe esperam pela frente vários picos de crescimento, períodos de dentição, doenças, ansiedade de separação, vacinas, etc. Nesses períodos podem acontecer mudanças no comportamento alimentar da criança, é importante que mantenha a oferta normal de alimentos e aleitamento, mas sem impor nada.

Lembre, a alimentação saudável é um hábito que se aprende em casa. Incentive seu filho a se alimentar junto com a família, comendo junto com ele refeições saudáveis, com variedade de frutas, legumes, verduras, cereais, carnes. O Ministério da saúde recomenda que alimentos industrializados, enlatados, cafés, salgadinhos, balas, refrigerantes, sucos de caixinha, entre outros, sejam evitados nos primeiros anos de vida.  O sal deve ser usado com moderação.

Precisando ajuda ?

A consultoria Mães com Ciência pode ajudar no sono, amamentação, desmame, desfralde e disciplina positiva. Saiba como funciona aqui ou  Agende uma consulta virtual aqui.

 

Referências:

Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos

 

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 156 pp.

Sociedade Brasileira de Pediatria. 2012. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola/Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 3ª. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBP, 148 p.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s